Por quê?

 

Há um bom tempo atrás, eu estava conversando com amigos sobre um curta (Da Janela do meu quarto) feito por outro amigo, o cineasta Cao Guimarães

Todo mundo estava dando seu ponto de vista num jeito bem acadêmico: o ângulo, os elementos, a menina/o menino personalizando os papéis do mulher e do homem na sociedade, o cavalo abrindo a cena para introduzir a animalização do humano… foi quando alguém me perguntou se/porquê o filme tinha me impactado e eu disse que sim, tinha me provocado porque lembrava a minha infância.

Tudo ali estava bem próximo disso. Brincar na chuva, a lutinha com as crianças maiores, a liberdade de ser você mesmo, o tentar sem se julgar, ficar mesmo nu por dentro como uma besta, um animal.

Eu estava sentindo falta deste sentimento naquele momento. Estava tão preocupada em parecer inteligente todo o tempo, que senti falta daquela menina livre. Foi quando tive o clique e descobri como eu tinha até então me relacionado com arte.

Eu vim de uma família normal. Não visitávamos grandes museus e não falávamos sobre arte em casa. Meu avô era o mais próximo de um artista que eu havia encontrado naquela época e fui muito, muito sortuda, porque apesar dele não saber história da arte, ele era um autodidata que gostava de reproduzir os mestres por prazer.

Tenho quase certeza que esta foi a razão de eu ter começado a sentir que a arte era parte da minha vida. Era simples: eu adorava meu avô então comecei a adorar arte também. Sim, adoro arte como um membro da minha família, de quem você fala de uma forma bem próxima.

Eu tive que tomar este tempo todo pra me dar conta que seria bacana compartilhar esta experiência com os outros. Especialmente porque quando eu o fiz há um tempo atrás com meus amigos (falando sobre o vídeo do Cao ), senti vergonha de confessá-lo, mas me dei conta que os meus amigos acabaram tendo os cliques deles também.

Se você está aqui a procura de algo inteligente para dizer aos seus amigos inteligentes, definitivamente este não é o lugar. Eu estudei história da arte, teologia, psicanálise, semiótica, filosofia, literatura, mas meu domínio mesmo é nas minhas experiências e este  blog é só sobre isso. 

Você provavelmente vai encontrar conexões desconcertantes com a arte aqui e tenha certeza que eu as escrevi bem envergonhada também. Mas esta é uma relação verdadeira com a arte – e, cá entre nós, relações geralmente não são perfeitas – e eu tenho certeza que você deve ter uma relação bem imperfeita com a arte por aí também. 

Você pode assistir ao curta aí embaixo

 Gostou e quer mais? Vai lá: http://www.caoguimaraes.com

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

Up ↑

lapieldelabatata

Bocetos, versiones, fragmentos de realidad · Textos por: Andrés Gómez O

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

%d bloggers like this: