Mudança

Não sou cigana, mas tenho mudado um bocado: dentro do Brasil, para Colômbia, Canadá, Suíça, Estados Unidos. Para a minha sorte, a adaptação tem funcionado bem não importando muito onde. O mais engraçado é que a chave de um bom ajuste raramente depende da casa em que a gente mora, da cidade onde estamos ou das condições climáticas em que estamos submetidos, mas sempre das pessoas que a gente conhece.

Eu não sei se somos sortudos, mas sempre encontrei gente que me deu um gosto danado pela vida. Quando fui no Museu Aldrich em Connecticut, vi o trabalho Your Turn dos artistas Ward Shelley e Alex Schweder, uma espécie de casa na parede, parte da série de “casas alternativas” que eles fazem para viver dentro ou fora de museus. O trabalho deles me deu aquele sentimento de que a vida e o que está em volta dela deveriam ser avaliados por esse gerúndio, por este “Eu estou aqui, vivendo”.

Ando pensando muito sobre a proporcionalidade entre superpopulação e cordialidade. Eu vivo em uma cidade pequena com casas grandes, onde as pessoas sorriem um bocado para as outras. Eu trabalho em Nova York e não é nenhuma novidade que tem um bocado de gente lá. É bem incômodo, mas as pessoas raramente olham umas para as outras na grande cidade (sem mencionar a estranheza que rola quando isso acontece). Se você sorri, provavelmente você é maluca. Eu juro, eu até tentei – sim, eu fui ingênua a este ponto.

Eu sei que esta é a realidade da maioria das metrópoles. Nós aumentamos em população e diminuímos em cordialidade. Mas todos os dias eu vou para cidade grande e me sinto triste pela gente. Eu fico triste porque nós estamos lá, tentando viver, tentando comprar uma casa grande numa cidade pequena para descobrir que o que a gente precisa é só sorrir um pro outro.

Acredito demais que a gente precisa melhorar isso. Nós precisamos encarar o fato de que o número de pessoas vivendo neste mundo maravilhoso não vai diminuir e por isso precisamos nos tratar melhor. Sim, a palavra aqui é tratar (de tratamento) porque eu acredito sinceramente que estamos doentes.

Como no trabalho destes artistas, nós podemos viver facilmente numa parede, numa roda gigante, numa casa pendular se nos entendermos e pudermos contar uns com os outros.

PS: Eu ainda não fui (está na minha lista de visitas para esta primavera), mas o Art OMI parece uma boa pedida para quem procura arte contemporânea em espaços abertos perto de NYC. Nele, você pode encontrar uma das instalações dos artistas, a Reactor  e até ter a sorte de encontrá-los por lá.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

Up ↑

lapieldelabatata

Bocetos, versiones, fragmentos de realidad · Textos por: Andrés Gómez O

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

%d bloggers like this: