Borboleta

Era bem cedo. O trânsito estava num dia raro, em que tudo funciona e, como estava adiantada demais, resolvi sentar em uma cadeira em frente ao gramado do Bryant Park. O sol ainda estava tímido, mas já tinha uns gatos pingados esperando aquela energia quentinha pro dia começar.

Foi quando os dois chegaram. O moço, de roupa de executivo azul descolado, a moça mergulhada num vestido preto, clássico. Pela intimidade entre eles dava pra sacar que o relacionamento era recente. Ele falava esticando as vogais, mudando a entonação entre poder e doçura, enquanto ela o acompanhava com os olhos de gatinho pidão.

A conversa andava daquele jeito entre formal e informal do início de relacionamento, onde o negócio é impressionar o outro. Foi quando uma borboleta sem gracinha, daquelas laranjas bem vagabundas, resolveu parar na mesa entre os dois.

Não demorou nem um segundo pra moça esticar as mãos e a bichinha pousar tranquila no mindinho alongado dela. Outro segundo e ela voou para o gramado, deixando aquele desconforto de alguém que perde algo muito rápido.

Tomado de um inconformismo sem fim, o rapaz abaixou pra pegar a bichinha e devolver pra moça. A borboleta, já sentindo o que vinha pela frente, deu uma voadinha um pouco mais distante, mas ainda se mantendo na possibilidade de alcance.

Feito a gente vendo o equilibrista no circo, a moça torcia a favor e contra a borboleta. Ele deu mais um passo. A moça achou engraçado, mas continuou lisonjeada, afinal, aquela batalha toda era pra ela. A borboleta deu outro vôo. Sentindo-se desafiado com o riso da moça e a destreza do inseto, o rapaz avançou mais rápido, conseguindo capturar uma asa da bichinha que se desfez em pó na sua mão.

A moça começou a sentir pena da borboleta, mas não podia mostrar. Irritado, o rapaz se sentiu dentro de uma missão: agora não tinha mais volta. Com uma asa pela metade, a bichinha ainda conseguiu dar um volteio inútil até que ele a pegasse. A moça, já triste, se sentiu envergonhada de receber o presente.

O sol começou a escapar mais forte do prédio da biblioteca pública de Nova Iorque. Suando, o rapaz se levantou, puxando a moça pra levantar também. Segurando numa mão a mão já impaciente do rapaz e na outra a borboleta ofegante sem uma asa, a moça hesitou.

“Larga esse bicho aí, vamos logo que não quero chegar tarde no trabalho”, disse-lhe o moço. A moça abriu as mãos, sentido-se livre como a borboleta.

PS: O trabalho de cima do artista Taiwanês Tung Ming Chin , não é só uma ilustração da história toda. Quando eu vi a moça deixando a praça e a borboleta, lembrei dele e de como a gente, em diferentes situações, se prende a querer algo, sem saber que o que a gente só quer, na verdade, é desejá-lo. Essa película que criamos, aparentemente fácil de ser rompida do "pronto, ganhei o que queria", pode ser como no trabalho dele, mais dura e impossível de ser quebrada porque muitas vezes nem sabemos o porquê queremos. Fica a reflexão e o trabalho desse jovem artista que é simplesmente incrível!
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

Up ↑

lapieldelabatata

Bocetos, versiones, fragmentos de realidad · Textos por: Andrés Gómez O

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

%d bloggers like this: